Blog Rocha 100

No princípio, criou Deus os céus e a Terra”. Ótima frase para um Blog que navegará 100 fronteiras: dos céus metafísicos à “rude matéria” terrestre. “Criou Deus, pois, o homem à sua imagem, à imagem de Deus o criou; homem e mulher os criou”. Pois, somos também deuses, e criadores. Podemos, principalmente, criar a nossa própria vida, com autonomia: isto se chama Liberdade. Vida e Liberdade são de Deus. Mas, quem é “Deus”? Devotos hebreus muito antigos, referiam-se a Ele apenas por perífrases de perífrases. Para Anselmo de Bec, Ele é “O Ser do qual não se pode pensar nada maior”. Rudolf Otto, diante da dificuldade de conceituá-Lo, o fez precisamente por essa dificuldade; chamou-O “das Ganz Andere” (o Totalmente Outro). Há um sem número de conceitos de Deus. Porém, o que mais soube ao meu coração foi este: “O bem que sentimos intimamente, que intuímos e que nos faz sofrer toda vez que nos afastamos dele”. É de uma jovem filósofa: Catarina Rochamonte.

domingo, 24 de dezembro de 2017

A Luz do Mundo - Mensagem de Natal e Ano Novo

(Por especial pedido do meu querido irmão Fernando, tenho publicado esta mensagem todo fim-início de ano, desde 2005)
Caminhava Jesus com seus discípulos quando avistou um cego de nascença. Os discípulos quiseram saber se o infeliz estava pagando os pecados próprios ou os pecados dos pais. Jesus respondeu que nem o cego nem os pais haviam pecado, mas era necessário que naquele sofredor se manifestassem as obras de Deus; e dispõe-se a curá-lo, dizendo: "Enquanto estou no mundo, sou a luz do mundo" (João: 9, 5).
Todos nós somos cegos de nascença; não cegos da visão, mas cegos do entendimento. Cegos da visão, alguns. Cegos do entendimento, todos. Não que a razão humana não possa conhecer, mas ela só conhece pelo tato aquilo que melhor conheceria pela vista.
A razão humana, a rigor, apenas tateia a verdade; sendo da essência mesma desta nunca se revelar na sua inteireza.
Acresce que esta humana razão conhece sempre melhor o que importa menos, e pessimamente o que importa mais.
Porque muito mais importa a verdade moral do que a verdade factual, muito mais as verdades interiores do que as verdades exteriores, muito mais as verdades da vida eterna que não vemos do que as verdades da vida efêmera em que vivemos.
Por isso foi necessária outra luz, além da luz da razão.
Se a razão tudo pudesse entender, não careceria Deus de enviar uma nova luz ao mundo.
Desde que apareceu no mundo, há 2018 anos, essa luz aquece e ilumina sem cessar, e seu combustível é o amor.
A denominação de "mago", na Antiguidade, indicava o sábio, especialmente da mais excelsa sabedoria da época: a sabedoria astrológica. Os três reis magos são, portanto, os três reis sábios.
Estes sábios, ao seguirem a estrela, iam a procura de uma luz nova, uma luz que pudesse iluminar mentes já saturadas de toda ciência, cansadas de muitas procuras, desesperançadas de tantas decepções.
Eles a encontraram, a luz em botão, na forma de um bebê em uma humilde manjedoura.
Essa pequenina luz se fez a Luz do Mundo.
Hoje, neste início de 2018, por mais saturado, cansado e desesperançado que você esteja; esta luz esta ao seu alcance.
Procure-a com o coração.

Washington Rocha

quinta-feira, 14 de dezembro de 2017

Lula no TRF-4: o fanatismo e as tentações do Diabo

Fanatismo é mesmo uma coisa diabólica. O PT e seus satélites estão em pé de guerra porque, no TRF-4, a Justiça andou e o recurso de Lula contra sentença condenatória de primeira instância teve data de julgamento marcada para 24 de janeiro. Entre os lulistas o clima é de um verdadeiro “o Diabo nos acuda!”. Ora, o Diabo, que não perde oportunidade, compareceu ligeiro; com suas tentações, seduzindo para a violência. Eis que os fanáticos de Lula já prometem ocupar Porto Alegre no dia 24, com intenções infernais. Zé Dirceu, o número 2 do comando petista, foi enfático: “A hora é de ação, não de palavras, transformar a fúria e revolta, a indignação e mesmo o ódio em energia, para a luta e o combate. Todos a Porto Alegre dia 24, o dia da revolta”. E foi além; inspirando-se em Che Guevara, conclamou: “- Criar, mobilizar um dois três.... milhares de comitês em defesa de Lula...”. Já o senador Lindbergh Farias declarou que os lulistas estão “com a faca nos dentes” e “prontos para a guerra”. Está ficando do jeito que o Diabo gosta: para garantir a impunidade do chefe, os fanáticos estão decididos a incendiar o país. Vade retro!

quinta-feira, 7 de dezembro de 2017

A Venezuela Pede Socorro - vejam na Band

Terça-feira, 05/12, o Jornal da Band deu início a uma série de reportagens - A Venezuela Pede Socorro - sobre a situação dramática do país, que se vai caracterizando como de "emergência humanitária". Em linguagem bem popular, pode-se dizer que a Venezuela está "em petição de miséria". É chocante o que a Band já mostrou, e hoje, quinta-feira, mostrará mais. É chocante, mas não é novidade. A desgraça em que o chavismo afundou a Venezuela está escancarada faz tempo. O sofrimento do povo da Venezuela, sob a opressão da ditadura do chavista podre Nicolás Maduro, não é coisa que se possa esconder, mesmo porque milhares de venezuelanos fogem da desgraça procurando abrigo e sobrevivência em países vizinhos, inclusive o Brasil. A Venezuela pede socorro, geme de fome, grita de dor. Aqui do Brasil, a resposta mais sonora que recebeu foi do PT, que declarou apoio à ditadura chavista.

segunda-feira, 6 de novembro de 2017

Recife Não É Nuremberg: mistério e suspense no livro de José Ronald Farias

Um bom título é chave de ouro para abrir um bom livro. No caso em tela, o ótimo título - Recife Não É Nuremberg - abre para uma empolgante teia de mistérios que prende o leitor até o fim. Baseada em fatos reais, a engenhosa trama de José Ronald Farias liga a pequena cidade de Piancó, no Sertão da Paraíba, ao horror nazista lá na distante Alemanha. E usa para isso não apenas seu talento de romancista, mas seu sólido conhecimento histórico.

Parêntese. No capítulo de Piancó, o autor, que é natural desta aguerrida cidade sertaneja, talvez tenha usado seus dotes de ficcionista para puxar brasa para assar seu peixe, pois enaltece a inteligência dos piancoenses com esta imaginativa explicação: "Falavam que era a água do rio Piancó que os fazia tão inteligentes". Se isso se confirmar, o turismo a Piancó vai aumentar muito e o rio vai secar ligeiro.

Por toda narrativa perpassa a temática dos judeus e dos cristãos-novos brasileiros. A reconstituição histórica sustenta e enriquece a trama ficcional, que, como o título indica, centraliza-se na Capital de Pernambuco, lá pelo ano de 1988, onde vêm desaguar dramas antigos. Não fortuitamente Recife vem a ser palco de uma trama que envolve judeus, pois, como a narrativa histórica de José Ronald registra, no século XVII não houve "um lugar onde os judeus fossem tão livres como foram no Nordeste holandês, principalmente no governo de Maurício de Nassau". Com efeito, Recife, a Capital do próspero governo de Nassau, tornou-se uma terra de liberdade e oportunidade para judeus perseguidos pela Inquisição católica mundo afora. Mesmo com a dispersão ocorrida após a expulsão dos holandeses, muitos judeus e cristãos-novos permaneceram sedimentados no solo recifense; muito ativos no comércio, na indústria, nas artes e na ciência. O herói e condutor da trama é um médico de ascendência judaica, Joel Schwartz, que descobre tatuada na nádega de sua defunta mãe uma "estrela de Davi". A partir daí, agindo como investigador digno de um romance de Agatha Christie, descobrirá coisas de arrepiar. 

Para mim, que sou louco por livros de mistério e suspense e que já li todos os livros de Agatha Christie, o livro de Ronald foi um achado. Eu o adquiri na Livraria do Luiz (Galeria Augusto dos Anjos, Centro, João Pessoa-PB). Não percam tempo, vão lá antes que esgote.

Para concluir, gerando mais suspense, digo que, apesar do título livro, na eletrizante narrativa, Recife, de certa foma, torna-se Nuremberg.

domingo, 22 de outubro de 2017

Serviço Meteorológico - Tempestade em Céu Azul

O Cacique Cobra Verde confirma a previsão do tempo para hoje, domingo 22 de outubro, na Praia do Bessa: tempo bom, céu azul sem nuvens. Mas, ao mesmo tempo, afirma que haverá tempestade, ventania, raios e trovões. Oxente!, será que o Cacique endoideceu? Como é que pode? Pode sim. Assim:

O trovão, Zé Bezerra traz na voz,
Tenor que é, tal qual o Pavarotti.
“Blowin’ in the wind’ vem o Mestre Fuba,
Sua resposta é cortante, é um chicote.
Lis Albuquerque vem rápido, coruscante,
Com verve rara, se diga, teatral.
Romeu e Cláudia Carvalho são orvalhos,
Que aos poucos se transformam em temporal.
De repente, a força viva do Repente
Resplandece por sobre as coisas belas;
Relampeia, corisca, rasga o céu, clareia:
Na voz canora nordestina de Oliveira de Panelas.

Toda essa tempestade no Show 100 Fronteiras, no Kiosk do Arruda, das 10 da manhã ao fim da tarde. Deixe de moleza, largue esse vício de computador, levante da cadeira e venha pra chuva musical, venha se molhar de melodia.




terça-feira, 17 de outubro de 2017

Lis Albuquerque no Show 100 Fronteiras

O Show 100 Fronteiras vai projetando sua navegação cada vez mais larga pelos mares da arte musical. O artista/cantor/compositor Lis Albuquerque confirmou sua participação. Agora, o Show 100 Fronteiras está assim: Zé Bezerra da Paraíba - Mestre Fuba - Oliveira de Panelas - Romeu e Cláudia Carvalho - Lis Albuquerque.
Além da arte musical, tem a arte culinária: uma caprichadíssima Feijoada. Esperamos vocês.
Domingo, 22, a partir das 10 da manhã no Bar do Arruda (Rua Fernando Luiz Henrique, Bessa).
 

segunda-feira, 16 de outubro de 2017

Romeu e Cláudia Carvalho no Show 100 Fronteiras

Artistas formidáveis em voz e violão, Romeu e Cláudia Carvalho decidiram também participar da campanha SOS Portal 100 Fronteiras e vão se apresentar no Show 100 Fronteiras. Eles cantam um precioso repertório, onde brilha a esplêndida canção “Noronha”, de autoria de Assis Fernandes de Carvalho. Agora, o Show 100 Fronteiras está assim: Zé Bezerra da Paraíba, Mestre Fuba, Oliveira de Panelas, Romeu e Cláudia Carvalho. Imperdível. E fácil de achar: domingo próximo, 22, a partir das 10 da manhã, no Kiosk Nº 1 do Arruda, na Praia do Bessa.